Análise de histórico da operação: contra fatos não há argumentos

Estamos na era digital há anos. Os processos ficaram mais fáceis, mais acessíveis e automatizados. E, como todos estão carecas de saber, a compreensão de tempo do ser humano mudou: se você não for ágil, alguém vai ser mais ágil que você e a sua empresa vai ficar para trás. A frase “tempo é dinheiro” nunca foi tão real.

Mas será que estamos mesmo carecas de saber? Porque, se estivéssemos, esses processos que falei seriam muito mais inteligentes e focados em dados. Eu tenho certeza que você já viu em todos os blogs e artigos possíveis que é preciso ser data driven. E também tenho certeza de que o que você mais busca são resultados.

Acontece que de perfil “feeling” o mundo já tem muito e quem entendeu isso está anos luz na frente. A competitividade atual colocou os achismos todos para trás para começarmos a trabalhar com números, métricas e dados. Transformando tudo isso em informações relevantes para o presente e para o futuro.

Gerir uma loja é igual a vida: a gente só começa a acertar depois de analisar a experiência. Se não tomamos as decisões baseadas no que fizemos anteriormente, o risco de errarmos de novo fica muito maior.

Gestão Estratégica

Pensando nisso, como a administração não é boba nem nada, trouxe para dentro do business o conceito de administração estratégica, que nada mais é do que a tomada de decisões atuais para alcançar um objetivo em um prazo maior.

Mas como é que vou decidir hoje para ter resultados a longo prazo se eu não medi o que aconteceu anteriormente? Essa é a importância da gestão das informações de um negócio: é preciso garantir a perpetuidade dos dados. Para que, assim, o futuro seja menos incerto, menos errôneo e com os recursos alocados mais eficientemente.

Todas as empresas que prosperam hoje sabem cada passo que deram para chegar onde estão. Baseado no histórico, conseguem também desenhar onde querem chegar, porque já entendem o mercado que estão inseridos, os públicos com que lidam e seus pontos fortes e fracos.

Como isso traz resultados na prática

Vamos supor que você, pequeno empresário, vai realizar as compras dos produtos para o Dia das Mães. Se você não sabe como foram as vendas desta data no ano passado, quais pessoas compraram e qual o perfil da equipe que trabalhou na sua loja, vai precisar adivinhar tudo de novo esse ano e provavelmente vai cometer erros desnecessários.

Mas se você for uma pessoa precavida e tiver em mãos todas essas informações, vai poder identificar semanas antes onde erraram. Poderá comprar os produtos que fazem sentido para o perfil do consumidor que compra com você nessa data. Além de preparar melhor a sua equipe para lidar com esse público. Isso é a redução de danos que um gestor precisa fazer.

Analisar o passado dói, porque evidencia erros e nenhum ser humano gosta disso. Mas evidencia também acertos e ainda por cima demonstra tendências, sendo um ótimo guia para a prosperidade de um negócio.

O bom uso das informações da sua empresa não só é responsável por trazer melhores resultados, mas também melhora os processos e a experiência do consumidor. Este não apenas vai ter produtos mais focados nele como também terá uma equipe mais preparada para atendê-lo.

Como colocar a análise de histórico na minha rotina

Primeiramente, você precisa identificar em que canal estão as suas informações. Se você as escreve em papel, em uma planilha, em um sistema online etc. É a partir disso que você vai começar a desenhar as semanas, meses e anos anteriores.

Depois você precisa começar uma cultura de gestão de informação da empresa, que não deve (e não pode) partir só de uma pessoa, seja ela a responsável pela gerência da loja ou não.

Gestão da informação é cultura e precisa ser entendida por todas as pessoas que trabalham na organização. Assim, você garante que a entrada ou a saída das pessoas não seja um caos e as informações perdidas. Se você insere a cultura da informação na sua empresa não será preciso cobrar um CRM completo, um sistema operacional atualizado e por aí vai.

A partir disso, se você ainda não possui um objetivo a médio/longo prazo para a sua empresa, trace um. Porque as suas metas atuais e a curto prazo podem diferir totalmente se o seu objetivo for ser o maior varejista do seu bairro ou da sua cidade, por exemplo. As métricas mudam, os indicadores também, e até os microprocessos.

Por fim, encontre uma maneira ágil de analisar as informações que você tanto sofreu para coletar. Planilhas costumam se perder no tempo e dificilmente estarão sempre atualizadas. Uma vez que estamos em um mundo digital, o melhor a se fazer é encontrar uma tecnologia que te ajude.

Por coincidência, a Disruptiva Franchise Intelligence faz exatamente isso, transforma dados em informações baseado no histórico da loja. Se você já é cliente e ainda não faz isso, entre em contato com a gente para te ajudarmos a melhorar a sua performance! Se você ainda não é, nos contacte do mesmo jeito para nos conhecer melhor.

Se você se interessou por esse assunto, dá uma olhada nesse post que fizemos sobre inteligência de dados para franquias, que foca mais em engajamento de redes como um todo.

Ana Bittar

Saiu de Minas Gerais pra cursar Administração em uma ilha bonita e acabou descobrindo a Ilha do Silício. Trabalha como Customer Success na Disruptiva Franchise Intelligence e acha que SC seria melhor se os bares vendessem porção de torresmo.

No Comments Yet

Leave a Reply

Your email address will not be published.